Queer

23/07/2017 § Deixe um comentário

“Voltaram ao Ship Ahoy ainda em silêncio. Lee entrou e pediu uma bebida. Allerton desapareceu. Mais ou menos uma hora depois, voltou e foi sentar com Lee.
‘Que tal a gente sair pra jantar hoje?’, perguntou Lee.
Allerton respondeu: ‘Não, acho que vou trabalhar à noite.’
Lee estava deprimido e arrasado. O afeto e as risadas da noite de sábado tinham se perdido e ele não entendia por quê. Em toda relação amorosa ou de amizade, Lee tentava estabelecer contato no nível não verbal da intuição, uma troca silenciosa de pensamentos e sentimentos. Agora Allerton rompia abruptamente esse contato, o que causava em Lee uma dor física, como se aquela sua parte que tenteava estendida em direção ao outro tivesse sido amputada e ele olhasse chocado para o coto que sangrava, mal podendo acreditar naquilo.”

trecho de Queer, registro da dor-de-cotovelo sofrida pelo Burroughs, durante o período que passou na América Latina, para encontrar o yage.

 

Anúncios

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para julho, 2017 em Felicidade estoica.