Nada Me Faltará

03/04/2016 § Deixe um comentário

“Como eu seguiria meus dias com esse vazio? Mas não! Não é isso. A verdade, caso realmente queira saber, a verdade é que o que eu senti realmente foi alívio.
Ok.
Eu estou me lixando para elas. Me entende, doutor?
Claro.
Eu estou cagando pra elas. … Elas não representam nada pra mim. … Não fazem falta nenhuma.
E você não acha que isso seja uma defesa?

Eu não sinto nada por elas.

Elas não fazem, absolutamente, falta nenhuma.

No fundo, doutor, para ser sincero, não consigo sentir afinidade ou emoção alguma em relação a nenhuma criatura. Será que você consegue entender isso, doutor? Será que este lugar pode suportar isso?

Acho que precisamos nos aprofundar nessa questão. Só que já estamos na nossa hora. Eu queria te propor uma coisa.
Você não respondeu a minha pergunta, doutor.
Paulo, este lugar pode comportar tudo o que você expressou. Pode ficar tranquilo quanto a isso. Posso te fazer uma proposta?”

trecho de Nada me Faltará, do Lourenço Mutarelli, que, a despeito da forças de alguns dos diálogos e do ritmo do texto, faltou em responder muita coisa, e nem falo de ter um final tradicional, no qual tudo fosse esclarecido, mas de conexões entre certos fatos e das motivações dos envolvidos. Enfim…Apesar disso, a novela vale a pena.

Coffee smell and lilac skin

03/04/2016 § Deixe um comentário

jeff

Como você era lindo… [via Mystery White Boy ]

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para abril, 2016 em Felicidade estoica.