Quando você chega à sala

19/09/2014 § Deixe um comentário

fredmacanudo

Presente do Fred, enviado há quase um ano.

Anúncios

Concerto para Violino nº 3

07/09/2014 § Deixe um comentário

Para ouvir lendo o Norbert, ou qualquer outra coisa, a Filarmônica de Viena interpretando o Concerto para Violino nº 3, do Mozart.

Mozart – Sociologia de um Gênio

07/09/2014 § Deixe um comentário

“Wolfgang Mozart continuou tendo um comportamento totalmente franco e direto; assim como mostrava uma imensa espontaneidade de sentimento em sua música, era extraordinariamente rude em sua conduta pessoal. Não conseguia esconder o que sentia, nem mostrá-lo de forma insinuante, e detestava qualquer forma de relação humana que o forçasse a usar de circunlóquios e eufemismos, a fazer rodeios.

Embora tivesse crescido à margem de uma pequena corte e mais tarde tivesse viajado de uma corte para outra, jamais adquiriu a polidez especial do cortesão; nunca se tornou um homem do mundo, um homme du monde, um cavalheiro, no sentido que tinha esse termo no século XVIII. A despeito dos esforços do pai, manteve por toda a vida a caracterização de uni burguês de classe média.”

trecho de Mozart — Sociologia de um Gênio, texto em que o grande e divertido Norbert Elias reflete sobre o contexto e a atuação de pressões sociais sobre o compositor e tentar superar a distinção entre o “homem” e o “gênio”, adotada, mesmo que sem intenção, pela maior parte das biografias de artistas de grande expressão, tendência que vai, ao poucos, consolidando essa ideia de uma “naturalização” do surgimento do ser genial.

Daí, a belíssima surpresa de descobrir que Wolfgang, apesar de produzir coisas tão absurdas de lindas e delicadas, era um fanfarrão — e ogrinho — e que se expressava como a maioria de nós sobre seus aborrecimentos, como mostra trecho de uma de suas cartas endereçadas ao pai.

“Já estava farto de Salzburgo. Ao estender sua licença, estava desafiando o arcebispo. No dia 16 de dezembro, esboçou sua visão da situação em uma carta a seu pai:

‘A propósito, o que há com o arcebispo? Na próxima segunda-feira, completarão seis semanas que estarei fora de Salzburgo. Sabe, meu querido pai, é somente para lhe agradar que permaneço lá, já que, por Deus, se tivesse seguido minha inclinação, um dia antes de partir teria limpado o traseiro com meu último contrato, [ HAHAHAHAH ] pois lhe juro por minha honra que não é Salzburgo, mas o príncipe e sua presunçosa nobreza que a cada dia se tornam mais intoleráveis para mim.'”,

Interessados em entender melhor por que um músicos desses morre endividado, jovem e acaba enterrado numa vala comum, encontrarão o livro também aqui.

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para setembro, 2014 em Felicidade estoica.