A Testemunha Silenciosa

15/06/2014 § Deixe um comentário

“- Porco – rosnava sá Carmela, fora de si. A noite sem estrelas se fechou sobre a nossa casa e sobre Lagedo. Mamãe se recolheu sem fechar a porta que dava para o patiozinho. Papai chegou, deu corda no relógio, tossiu e foi se deitar. Dulce entrou na ponta dos pés. Maria do Sudário dormia o sono dos justos. A Inácia só voltou na manhã seguinte.

O que se guardou na memória da família Sacramento e de Lagedo foi isto: vovô comeu muita farinha no jantar e, com sede, quis beber água. Na bica, escorregou, caiu e morreu. Tudo simples e lógico. Nem ao menos se falou de sua bebedeira.

Vida é segredo, Sanico. “

trecho de “A Testemunha Silenciosa”,  novelinha do Otto Lara Resende, publicada em livro homônimo, e acompanhada de “A Cilada”.

Anúncios

Marcado:, , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento A Testemunha Silenciosa no Felicidade estoica.

Meta

%d blogueiros gostam disto: